domingo, 14 de fevereiro de 2016

Nós, os imperdoáveis

   Quando imperdoável? Ñ s afirmará aqui q "todo mundo" pq "todo mundo" é muita gente mas,pode-s arriscar q muitos de nós, muitos mesmo, já nos fizemos essa pergunta em algum momento de nossas vidas. Neste momento procuramos nos imaginar de preto, talvez, p/ q ninguém note nossa repugnante existência ou, até desejamos c/ todas as nossas forças tornarmo-nos invisíveis ou, ainda mais, simplesmente sumir, passar 1 borracha em nós mesmos.

 

   Quando imperdoável? O tempo e o espaço são indiferentes pelo fato de q foi 1 relação de amor, de companheirismo, isto é, vc acabou de fazer c/ q o outro caísse no maior abismo q existe, por decepção: o da confiança. Vc imperdoável. A pior parte é q muitas vezes vc ñ é o imperdoável p/ o outro mas, p/ vc mesmo!


   Quando imperdoável? O q fazer, então? Viver s cobrando, s martirizando para q? Sumir da vida daquele(s) q decepcionou e, por tabela, de todos os outros conhecidos? Ñ! Mude. Mude sua postura, mude suas atitudes. Mas ñ pelos outros ou p/ quem vc magoou. P/ vc mesmo. Faça a mudança q tiver q fazer mas, faça de dentro para fora de s mesmo. Ela tem de estar em vc, e ñ p/ q os outros vejam mas, para q seus atos, seus novos atos, sejam percebidos por vc c/ seu novo comportamento q vc continua na mesma pessoa, só q 1 pessoa diferente, 1 pessoa melhor.


Por Krevas Cobain.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Freak e a estética em Silverchair

  Silverchair é 1 banda australiana formada em 1992. Inicialmente formada por 4 membros denominava-s "Innocent Criminals”, c/ a saída de 1 deles e a vitória da competição nacional “Pick me” passaram a intitular-s Silverchair.



   Passadas apresentações vm aos fatos: seu 2º álbum e a música que foi 1 dos carros-chefes de seu sucesso: Freak. Ñ q o álbum Freak Show não tenha sido um sucesso, pq, incontestavelmente foi. 2º o próprio vocalista/ guitarrista Daniel Johns: “Freak é sobre pessoas que tentam ser <>s, mas no fim são sempre =s(...)”.

   Ñ há p/ onde você correr, a ideologia mundial trabalha para fazer de vc o único, mas no fim vendem essa mesma ideia para mais algumas zilhões de pessoas. A estética é 1 dos maiores exemplos disso. Só q tb falaremos aqui, da estética interior: a comportamental, isto é, as atitudes.

   A atitude de ser ou de tomar decisões em dada circunstância é o q define s vc é <> ou = a tantos outros produtos fabricados pela ideologia q a mídia mundial tanto prega, tipo, o corpo ou cabelos ideais. Ñ é apenas 1 questão de cor de cabelo exótica ou do modo de vestir-s, mas, sim do modo de como bem comportar-s, a coragem de decidir pelo <> e não pelo =, quer dizer, de tomar fôlego p/ criar a coragem de 1 decisão que vá de encontro a interesses alheios c/ o objetivo de 1 bem maior.



  Afinal, o q faz 1aberração ñ é somente o visual, mas atitudes, e ñ aquelas <>s p/ simplesmente aparecer, mas p/ fazer o q é necessário. Q seja Freak mas q seja p/ ser melhor, p/ fazer-s melhor, ...melhor, p/ fazer do mundo 1 lugar melhor. 
 
Por Krevas Cobain.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

O uso da boa-fé alheia




O que é preciso para enganar? O Outro. E mais. Que a relação que mantém com Esse outro tenha um detalhe essencial: Confiança. Sim, confiança. Somente ela é a via de possibilidade para o êxito do enganar.

 



  O q é preciso p/ enganar? O Outro. E +. Q a relação q mantém c/ Esse outro tenha 1 detalhe essencial: Confiança. Sim, confiança. Somente ela é a via de possibilidade p/ o êxito do enganar.


   P/ isso torna-s imprescindível toda 1 arquitetura, todo 1 plano cuidadosamente pensado e detalhado. O enganador s aproveita da confiança do Outro, isto é, da boa-fé q Este tem depositado nele. O enganador aproveita-s da boa-fé do Outro em proveito próprio e egoísta c/ o único olhar q o seu Ser permite possuir: O de curto prazo.

  Agora, s nos atermos + aos detalhes, quer dizer, s tivermos 1 olhar + atento, + profundo, verificaremos q: 1- o alcance do enganador é sempre curto devido ao seu prórpio fato ontológico: aquele q engana será descoberto, seja + cedo ou seja + tarde, e isto é certo; aquela vantagem q ele achava possuir, na verdade, é pura ilusão pois, seu engano, isto é, o engano por s mesmo, é vazio, somente a verdade é concreta. 2- a má-fé do enganador volta-s contra ele mesmo por meio da boa-fé do Outro q ele achou utilizar-s em prol de s mesmo. Ñ é q exista 1 eterna luta entre bem e mal mas, é q o bem é intrinsicamente ligado ao mal, isto é, ñ há 1 luta, o q existe é 1 ligação. Oras, toda luz projeta sua sombra. E 3- todo cálculo, matematicamente citando, q inicia errando nunca, nunca, nunca, nunca mesmo, termina certo. Em toda a história da humanidade, até agora ao menos, nada q iniciou de forma errônea teve 1 final "feliz". Portanto, assim como na matemática, é na vida.

  O engano é 1 forma errada de obter algo, seja material ou ñ. Seu meio de obter seu desejo é 1 covardia: Utilizar-s da confiança e da boa-fé do outro é desumano, quer dizer, é abdicar de sua humanidade própria. É hora de parar de ser + esperto q o próximo, já passou da hora de sempre tirar vantagem da boa-fé alheia. É hora de o ser humano voltar à sua humanidade.



  Um detalhe essencial numa relação, seja ela qual for, é a confiança. O problema na raça humana é quando ela passa a usá-la em benefício próprio para única e exclusivamente seus interesses, egoístas, digite-se de passagem. Será que precisaremos aprender o que é humanidade para acabar com esse lado negro intrínseco à raça?

Por Krevas Cobain.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

L: 1 lenda




É 1 lenda... É 1 lenda. Era o q os próprios pais diziam. Mas ela existe, e seu nome é Lara. Lara Vandas, para ser + específico. Ela está lá, nas redes sociais, 24h por dia, todo dia. Sempre feliz, sempre presente, quer dizer, sempre on-line. Basta solicitar sua amizade e ela estará lá, p/ vc, p/ todos quantos a quiserem com ela s comunicar, como sempre esteve aliás. 


   Conta-s a lenda q 1 dia Lara fez parte dessa realidade empírica, isto é, real, q ela n/ sempre foi, de 1 todo, virtual, mas q 1 dia existiu pois, ouviu-s dos pais, ela dava trabalho como todo adolescente real, quer dizer, normal. Aborrecimentos do tipo, hora para acordar, tomar banho todos os dias, deve ir para a escola, entre outros q hoje não passam de tenras lembranças disfarçadas de lenda. Há até histórias sobre ela em q passeava pelo bairro q morava, q adorava ouvir os cantos dos pássaros e, inclusive, q corria com outras crianças!


   Ñ adianta procurar aqui, vc não irá encontrá-la. Conta-s q tudo começou c/ a comodidade de ñ sair de casa, de não querer sentir + o calor da luz do Sol de cada manhã ou, a sensação de conforto e de leveza ao sentir a brisa tocar em sua pele n/'1 fim de dia qualquer sentada em 1 dos jardins públicos de sua cidade. P/ q, s todo o mundo estava ali, em suas palmas, s/ a necessidade de caminhar, quer dizer, de sentir seus pés tocando a terra, para que olhar nos olhos e sentir aquela sensação deliciosa de ñ estar sozinho neste mundo ou de achar q o outro pensou a mesma coisa q vc?!! P q, s todo o mundo estava ali, em suas palmas, p/ q o maior de todos os contatos humanos, ou seja, o abraço?!! Lara ñ sentia + essas necessidades;... p/ ela eram simples sensações q, no mundo, no novo mundo, eram contingentes.
 
   
   S perguntar aos seus pais ou aos seus familiares todos dirão q é apenas 1 lenda, que Lara Vandas nunca existiu. Bem, ela existiu, apenas resolveu sumir sem deixar uma carta de despedida, sabe... uma dessas cartas escritas à moda antiga, quer dizer, à mão ou, ao menos, dizer ou acenar 1 simplório adeus. Resolveu viver 1 outra realidade de palavras sem sentimentos, uma realidade de maior intolerância ao próximo, de felicidade eterna e, de mudança de estado de espírito instantâneo, do tipo, n/'1 minuto vc está deprimido e imediatamente no outro você já está s sentindo c/ as graças de D'us derramadas sobre ti. 

   Foi criado até 1 blog, por 1 amigo seu, q escolheu continuar caminhando pelo seu bairro mas, q visita o mundo virtual, principalmente, p/ encontrar sua amiga aqui, neste mundo. Seu blog chama-s "L: 1 lenda". Lá, há fotos e relatos de 1 vida entre 2 amigos de infância. Pessoas já perguntaram a Lara, por twitter, s tal história é verdadeira. Ela nega tudo. Lara não pode processar esse suposto amigo, pois, ela ñ é 1 pessoa física. Fica a dúvida: O que Lara s tornou?

Por Krevas Cobain.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

1 convite,... 1 doce convite


Enquanto isso, no dia do Rock...


Venha, meu amor
Aconchegue-s, minha doce dor
Ñ seja hipócrita
A chorar me convide
Dos momentos felizes cansei
A vergonha, pq?

Minha garota
Oh, meu garoto
Quero sentir sua mesma chuva
Caminhar os mesmos temporais
E dizer: ... é lindo...
Ao seu lado chorar
De dividir c/ ninguém cansei

...Fique...
Ñ quero risos
Desejo lágrimas
As minhas, ... mas especialmente,... as suas
Pq sempre felicidade?
Anseio pelas lágrimas
E, ao seu lado, dividí-las
C/ amor
C/ muito amor
Minha doce dor...


Por Krevas Cobain.

Fértil esquecimento


Enquanto isso, no dia Rock...


Ei, já estou sabendo
Vc me enterrou abaixo da pedra
Ñ demorei a perceber
E, agora, vc sabe
Q bom

E, então,
Quem sabe
Quem sabe
Poderemos voltar
A dar voltas
Na pedra em que estriparam Lilith
E aproveitaram apara adubar sua terra c/ todo seu sangue
E, então,
Quisera saber
Ousaria querer
De mãos dadas
Dados espíritos
Dançaremos em volta da pedra
Pisando em sua rubra e adubada terra

Agora, consciente
De seu intento
A pedra possui suas próprias histórias
Q importa?
Vm nos dar as mãos
E vm ser a pedra
E vm ficar pedra
... o q foi ela 1 dia?



Por Krevas Cobain.